quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Estilística

Estilística é o estudo da linguagem no que diz respeito à expressividade, ou seja, à capacidade de emocionar e sugestionar. De modo geral, o estilo se refere mais à redação que à gramática, mas o fato é que redação e gramática se completam: a primeira jamais será perfeita se houver problemas com a segunda.
Alguns problemas de estilo são muito recorrentes nas redações escolares e comprometem a qualidade do texto. Quanto antes nos livrarmos deles melhor.

Os mais comuns são:

ARCAÍSMOS:

Emprego de palavras antiquadas, fora de uso. São muito comuns em redações oficiais. Exemplos:
- Outrossim, informamos ainda que...
- Destarte, informo ainda ao mui digno colega...

CACOFONIA:

Problema fonético. Consiste na junção de duas palavras criando uma palavra nova e inadequada. Exemplos:
- O chefe havia dado ordens.
- Da vez passada nós saímos.
- Ele beijou a boca dela.
- Nesta terra onde abunda a pita...

CHAVÕES:

São expressões antigas, consagradas pelo uso, que hoje já não têm sentido. Tiram a originalidade do texto. Exemplos:
- Venho por meio desta...
- Sem mais para o momento...
- Subscrevemo-nos, firmamo-nos...

CLICHÊS:

Também chamados de lugares-comuns, os clichês são aquelas expressões antigas, desgastadas pelo uso, cujo emprego denota preguiça de pensar. Exemplos:
- chorar lágrimas de sangue
- o astro-rei (sol)
- estar armado até os dentes
- comer o pão que o diabo amassou
- correr atrás do prejuízo 

EXCESSO DE ESTRANGEIRISMOS:

Se existe o termo em português, para que buscá-lo em outra língua? Exemplo:
- Estou aguardando um feedback do meu staff, logo depois do coffee-break, para mandar fazer os folders.

EXCESSO DE QUÊS E PREPOSIÇÕES:

O texto se torna pesado e cansativo. Exemplo:
- Logo que ele telefonou eu disse que esperava que ele resolvesse aquilo que ele dissera que ia resolver.

MÁ COLOCAÇÃO DAS PALAVRAS:

Em matemática "a ordem dos fatores não altera o produto", mas em português... Exemplos:
- Aluga-se casa para jovem de fundos amplos e ventilados.
- Comprou um peixe para o pai grande e muito fresco.

ÓBVIO, VAZIO, SUPÉRFLUO:

Para que dizer ao leitor o que ele já sabe? Exemplos:
- Venho pela presente...
- Sem mais para o momento...
- O terrorismo é uma forma aterrorizante de terror porque aterroriza as pessoas.

ORALIDADE:

Ao escrever usamos a língua culta; ao falar usamos a coloquial. Cuidado, pois, com o uso das expressões coloquiais no texto escrito. Exemplos:
- Pra resolver o problema do terror, a gente precisa de unir.
- certo que todos os países têm problemas, mas a gente tem que tentar, ? Então, a gente precisa junto pra acabar com o terrorismo.

Referência:
PIMENTEL, Carlos. Português descomplicado. 6ª edição. São Paulo: Saraiva, 2009.

domingo, 13 de outubro de 2013

De segunda a sexta-feira



Nas estruturas de segunda a sexta-feira, de sábado a domingo, de setembro a outubro, de quinta a oitava série etc. não ocorre crase.

Por quê?

Porque esses as que aparecem entre as duas palavras são apenas preposições. Uma prova disso é que antes da primeira palavra da expressão aparece apenas a preposição de. É diferente do próximo exemplo:

Da quinta à oitava série.

Nesse caso ocorre crase. Observe que a preposição que aparece antes da palavra quinta é da, ou seja, a contração da preposição de + artigo a.

E se a frase fosse assim:

quinta a oitava série?

Nesse caso o acento grave indicador de crase seria facultativo, pois temos subentendidas as preposições de ou da.

Como costumo dizer aos meus alunos, parece difícil, mas não é fácil!

Ita est!
Prof. Zanon

sábado, 28 de setembro de 2013

Quiz da reforma ortográfica


Você já conseguiu assimilar as mudanças exigidas pelo Acordo Ortográfico? Com este quiz será mais fácil memorizá-las. Experimente!




http://www.abril.com.br/noticias/quiz-portugues-novo-acordo-ortografico/

Ita est!
Prof. Zanon

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Cena inesquecível de Pulp Fiction


Quentin Tarantino é brilhante, suas obras são geniais. Entre as muitas que dirigiu, está Pulp Fiction.
Dirigido de uma forma altamente estilizada, o filme narra três histórias diferentes, porém entrelaçadas, sobre dois assassinos profissionais, o gângster que os chefia e sua esposa, um pugilista pago para perder uma luta e um casal assaltando um restaurante, na Los Angeles dos anos 90.
A maior parte do filme é destinada a conversas e monólogos que revelam as perspectivas de vida e o senso de humor das personagens, diálogos ricos e ecléticos, que misturam ironia, humor e violência.
A narrativa é não linear, fora da ordem cronológica (marca registrada de Tarantino). São feitas muitas alusões a outras produções cinematográficas e referências à cultura pop.
Pulp Fiction foi indicado a sete Óscares, incluindo Melhor Filme.
Tarantino conseguiu realizar um feito inesquecível para o cinema: Fazer com que Travolta e Thurman dançassem maravilhosamente em uma cena célebre.
Na cena, Vincent Vega (John Travolta) é designado para tomar conta da esposa de seu chefe criminoso, Mia Wallace (Uma Thurman), e fazer tudo que ela desejasse. Eles vão a um restaurante onde um concurso de dança será realizado. Mia diz que quer dançar e ganhar. “Eu quero aquele troféu”, diz. “Então é melhor dançar bem...”

E eles dançam muito bem. Confira:


Ita est!
Prof. Zanon

Lei de Murphy

         
Nada está tão ruim que não possa ficar pior!




          O criador dessa lei foi o capitão da Força Aérea americana, Edward Murphy, que também foi a primeira vítima conhecida de sua própria lei. Ele era um dos engenheiros envolvidos nos testes sobre os efeitos da desaceleração rápida em pilotos de aeronaves.

          Para poder fazer essa medição, construiu um equipamento que registrava os batimentos cardíacos e a respiração dos pilotos. O aparelho foi instalado por um técnico, mas simplesmente ocorreu uma pane, com isso Murphy foi chamado para consertar o equipamento e descobriu que a instalação estava toda errada. Daí formulou a sua lei que dizia: “Se alguma coisa tem a mais remota chance de dar errado, certamente dará”. 


          Com o tempo foram surgindo variações dessa lei, geralmente pendendo para o humor. Eis algumas que foram coletadas algures na internet:


"O seguro cobre tudo, menos o que aconteceu" ( Lei de Nonti Pagam).

"Quando você estiver com apenas uma mão livre para abrir a porta, a chave estará no bolso oposto."
(Lei de Assimetria, de Laka Gamos).

"Quando tuas mãos estiverem sujas de graxa, vai começar a te coçar no mínimo o nariz."
(Lei de mecânica de Tukulito Tepyka).

"Não importa por que lado seja aberta a caixa de um medicamento. A bula sempre vai atrapalhar."
(Princípio de Aspirinovisk).

"Quando você acha que as coisas começam a melhorar, é porque algo te passou despercebido."
(Primeiro teorema de Tamus Ferradus)

"Sempre que as coisas parecem fáceis, é porque não entendemos todas as instruções."
(Principio de Atrop Lado)

Os problemas não se criam, nem se resolvem, só se transformam."
(Lei da persistência de Waiterc Pastar)

"Você vai chegar ao telefone exatamente a tempo de ouvir quando desligam."
(Principio de Ring A. Bell)

"Se só existirem dois programas que valem a pena assistir, e os dois passarão na mesma hora."
(Lei de Putz Kiparil)

"A probabilidade que você se suje comendo é diretamente proporcional à necessidade que você tem de estar limpo."
(Lei de Kika Gadha)

"A velocidade do vento é diretamente proporcional ao preço do penteado."
(Lei Meteorológica Pagá Barbero )

"Quando, depois de anos sem usar, você decide jogar alguma coisa fora, vai precisar dela na semana seguinte."
( Lei irreversível de Kitonto Kifostes)

"Sempre que você chegar pontualmente a um encontro não haverá ninguém lá para comprovar, e se ao contrário, você se atrasar, todo mundo terá chegado antes de você."
(Princípio de Tardelli e Esgrande La de Mora)


1- LEIS BÁSICAS DA CIÊNCIA MODERNA:
* Se mexer, pertence à Biologia.
* Se feder, pertence à Química.
* Se não funciona, pertence à Física.
* Se ninguém entende, é Matemática.
* Se não faz sentido, é Economia ou Psicologia.
* Se mexer, feder, não funcionar, ninguém entender e não fizer sentido, é INFORMÁTICA.


2- LEI DA PROCURA INDIRETA:

* O modo mais rápido de encontrar uma coisa é procurar outra.
* Você sempre encontra aquilo que não está procurando.


3- LEI DA TELEFONIA:

* Quando te ligam: se você tem caneta, não tem papel. Se tiver papel, não tem caneta. Se tiver ambos, ninguém liga.
* Quando você liga para números errados de telefone, eles nunca estão ocupados.
* Parágrafo único: Todo corpo mergulhado numa banheira ou debaixo do chuveiro faz tocar o telefone.


4- LEI DAS UNIDADES DE MEDIDA:

* Se estiver escrito 'Tamanho Único', é porque não serve em ninguém, muito menos em você...

5- LEI DA GRAVIDADE:

* Se você consegue manter a cabeça enquanto à sua volta todos estão perdendo, provavelmente você não está entendendo a gravidade da situação..


6- LEI DOS CURSOS, PROVAS E AFINS:

* 80% da prova final será baseada na única aula a que você não compareceu e os outros 20% será baseada no único livro que você não leu.


7- LEI DA QUEDA LIVRE:

* Qualquer esforço para agarrar um objeto em queda provoca mais destruição do que se o deixássemos cair naturalmente.
* A probabilidade de o pão cair com o lado da manteiga virado para baixo é proporcional ao valor do carpete.

8- LEI DAS FILAS E DOS ENGARRAFAMENTOS:

* A fila do lado sempre anda mais rápido.
* Parágrafo único: Não adianta mudar de fila. A outra é sempre mais rápida.

9- LEI DA RELATIVIDADE DOCUMENTADA:

* Nada é tão fácil quanto parece, nem tão difícil quanto à explicação do manual.


10- LEI DO ESPARADRAPO:

* Existem dois tipos de esparadrapo: o que não gruda e o que não sai.

11- LEI DA VIDA:

* Uma pessoa saudável é aquela que não foi suficientemente examinada. 
* Tudo que é bom na vida é ilegal, imoral, engorda ou engravida.


12- LEI DA ATRAÇÃO DE PARTÍCULAS:

*Toda partícula que voa sempre encontra um olho aberto"


sexta-feira, 6 de setembro de 2013

I'll be back!

Depois de um longo período de afastamento do trabalho por motivo de saúde (ou seria mais correto dizer de doença, pois se estivesse com saúde estaria trabalhando); finalmente recebi autorização de meu médico para retornar ao trabalho. Segunda-feira, dia 09.09.13, quando meu despertador soar 5h30, pularei da minha cama quentinha para encarar o batente.

Minha esposa estranhou minha empolgação:

- Você está alegre porque vai voltar ao trabalho?! Você é do contra, mesmo!

Pois é, professor é assim: não consegue ficar muito tempo longe da sala de aula e dos seu pupilos. Que saudades daqueles pestinhas! Será que ainda se lembrarão de mim?




Então tá! É segunda, heim?! Nos veremos novamente na segunda!

Prof. Zanon

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Biotipo ou biótipo?


Biotipo [De bio- + tipo] é vocábulo que designa o aspecto do indivíduo segundo sua compleição física e suas características genéticas. 

A pronúncia "biotipo" ganha de lavada na boca dos brasileiros, mas os dicionários registram "biotipo" como "forma não preferível de biótipo". Ou seja, os gramáticos gostariam muito que todos os brasileiros falassem "biótipo" no lugar de "biotipo".

O argumento tem lógica. Em tese, os vocábulos terminados em "-ótipo" são proparoxítonos: estereótipo, protótipo etc. Já que pronunciamos estereótipo e protótipo deveríamos pronunciar biótipo. 

Na prática, porém, os brasileiros preferem a forma biotipo, com o acento tônico na sílaba "ti". Há outras palavras que também fogem do que a prosódia prega. Exemplo: monótipo/monotipo.

Biotipo, portanto, é uma variante prosódica de biótipo.

Por falar em biotipos (ou biótipos), eu me enquadro na classificação "endomorfo", que é o da direita na figura abaixo:



Hê, hê, hê!

Ita est!
Prof. Zanon

sábado, 31 de agosto de 2013

Uma pérola de Clarice!

"Ela acreditava em anjos e, porque acreditava, eles existiam."
Clarice Lispector (A Hora da Estrela)


terça-feira, 27 de agosto de 2013

A criança que fui chora na estrada


A criança que fui chora na estrada


A criança que fui chora na estrada. 
Deixei-a ali quando vim ser quem sou; 
Mas hoje, vendo que o que sou é nada, 
Quero ir buscar quem fui onde ficou.

Ah, como hei-de encontrá-lo? Quem errou
A vinda tem a regressão errada. 
Já não sei de onde vim nem onde estou. 
De o não saber, minha alma está parada. 

Se ao menos atingir neste lugar
Um alto monte, de onde possa enfim
O que esqueci, olhando-o, relembrar, 

Na ausência, ao menos, saberei de mim, 
E, ao ver-me tal qual fui ao longe, achar

Em mim um pouco de quando era assim.

Fernando Pessoa

O que me dói não é...



O que me dói não é...
O que me dói não é
O que há no coração
Mas essas coisas lindas
Que nunca existirão...

São as formas sem forma
Que passam sem que a dor
As possa conhecer
Ou as sonhar o amor.

São como se a tristeza
Fosse árvore e, uma a uma,
Caíssem suas folhas
Entre o vestígio e a bruma.

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"


Abdicação



Abdicação

Toma-me, ó noite eterna, nos teus braços
E chama-me teu filho.
Eu sou um rei
que voluntariamente abandonei
O meu trono de sonhos e cansaços.

Minha espada, pesada a braços lassos,
Em mão viris e calmas entreguei;
E meu cetro e coroa — eu os deixei
Na antecâmara, feitos em pedaços

Minha cota de malha, tão inútil,
Minhas esporas de um tinir tão fútil,
Deixei-as pela fria escadaria.

Despi a realeza, corpo e alma,
E regressei à noite antiga e calma

Como a paisagem ao morrer do dia.

Fernando Pessoa

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Quem é Red John?

Trinta dias de atestado médico! Bah! Como fiquei chateado com isso!

O cirurgião abdominal colocou uma "tela" subcutânea bem atrás do meu umbigo para impedir que uma hérnia umbilical teimosa continuasse a aumentar. Eu o adverti: "Doutor, lembre-se das palavras do mestre Jesus: Não se põe remendo novo em tecido velho." Mas o doutor Álvaro Kaminski entende do assunto. Fez um serviço de primeira. A cicatriz ficou por dentro do umbigo, imperceptível. E a bolinha sumiu.

Atenção alunos que me chamavam de professor Bolinha: pensem em outro apelido!

Pois é: trinta dias de atestado. O que fazer para o tempo passar? Além de ler muito, descobri a série The Mentalist. 

The Mentalist é um seriado policial estadunidense. Ele gira em torno de Patrick Jane (Simon Baker) que tem um talento especial: observar tudo em seus detalhes. Ele é consultor independente da CBI, a agência de investigação da Califórnia. Aceitou este emprego para tentar capturar Red John, um misterioso serial killer que matou sua esposa e filha. Com um enorme poder de dedução e observação, Jane já ajudou a Agência de Investigação da Califórnia a resolver muitos casos de homicídios intrigantes, porém, até o momento (quinta temporada), não conseguiu desmascarar Red John, seu arqui-inimigo. A série foi considerada a melhor estreia de 2008.



O autor prometeu revelar a identidade de Red John na sexta temporada. Nos fóruns da internet especula-se muito sobre quem seria o serial killer. Como estou apaixonado pela série vou dar meu palpite também.

Acredito que Red John é o próprio Patrick Jane.

Serem a mesma pessoa é a única maneira de explicar como Red John consegue saber coisas que apenas Jane sabe. Minha opinião se baseia principalmente no poema de William Blake, The Tyger, que foi recitado por Red John em um episódio da série. 

The Tyger (1794)

Tyger! Tyger! burning bright
In the forests of the night,
What immortal hand or eye
Could frame thy fearful symmetry?
In what distant deeps or skies
Burnt the re of thine eyes?
On what wings dare he aspire?
What the hand dare sieze the re?
And what shoulder, & what art.
Could twist the sinews of thy heart?
And when thy heart began to beat,
What dread hand? & what dread feet?
What the hammer? what the chain?
In what furnace was thy brain?
What the anvil? what dread grasp
Dare its deadly terrors clasp?
When the stars threw down their spears,
And watered heaven with their tears,
Did he smile his work to see?
Did he who made the Lamb make thee?
Tyger! Tyger! burning bright
In the forests of the night,
What immortal hand or eye
Dare frame thy fearful symmetry?


O tigre

Tigre, Tigre, viva chama
Que as florestas da noite inflama.
Que olho ou mão imortal podia
Traçar-te a horrível simetria?
Em que abismo ou céu longe ardeu
O fogo dos olhos teus?
Com que asas ousou ele o voo?
Que mão ousou pegar o fogo?
Que arte e braço pôde então
Torcer-te as fibras do coração?
Quando ele já estava batendo,
Que mão e que pés horrendos?
Que cadeia? Que martelo,
Que fornalha teve o teu cérebro?
Que bigorna? Que tenaz
Pegou-lhe os horrores mortais?
Quando os astros alancearam
O céu e em pranto o banharam,
Sorriu ele ao ver seu feito?
Fez-te quem fez o Cordeiro?
Tigre, Tigre, viva chama
Que as florestas da noite inflama,
Que olho ou imortal mão ousaria
Traçar-te a horrível simetria?

Tradução de José Paulo Paes

O poema The Tyger está numa coleção de poemas chamada “Idade da experiência”, uma obra que explora os mesmos temas de uma outra coleção, “Idade da Inocência”. Cada poema tem um “irmão gêmeo” na outra coleção. O poema gêmeo de The Tyger é The Lamb. No The Tyger há um verso que diz:

Fez-te quem te fez o Cordeiro? 

O poema sugere que o tigre foi criado pela mesma força que criou o cordeiro, ou seja, mal e bem são dualidades complementares e não antagônicas.

Por isso, estou inclinado a crer que Patrick Jane e Red John são a mesma pessoa, com algum transtorno envolvendo amnésia dissociativa, esquizofrenia ou outro tipo de patologia.

Para uma análise e interpretação do poema The Tyger, de Blake, acesse: 

http://ciberteologia.paulinas.org.br/ciberteologia/wp-content/uploads/2009/06/01cordeiro.pdf

A propósito: Mentalista é alguém que usa acuidade mental, hipnose e/ou sugestão. Um mestre manipulador de pensamentos e comportamento.


Ita est!
Prof. Zanon







domingo, 28 de julho de 2013

Qual é o seu valor?



- Venho aqui, professor, porque me sinto tão pouca coisa, que não tenho forças para fazer nada. Dizem-me que não sirvo para nada, que não faço nada bem, que sou lerdo e muito idiota. Como posso melhorar? O que posso fazer para que me valorizem mais?
O professor, sem olhá-lo, disse:
– Sinto muito meu jovem, mas não posso te ajudar, devo primeiro resolver o meu próprio problema. Talvez depois. E fazendo uma pausa, falou:
– Se você me ajudasse, eu poderia resolver este problema com mais rapidez e depois talvez possa te ajudar.
- C… claro, professor – gaguejou o jovem, que se sentiu outra vez desvalorizado e hesitou em ajudar seu professor. O professor tirou um anel que usava no dedo pequeno e deu ao garoto e disse:
- Monte no cavalo e vá até o mercado. Devo vender esse anel porque tenho que pagar uma dívida. É preciso que obtenhas pelo anel o máximo possível, mas não aceite menos que uma moeda de ouro. Vá e volte com a moeda o mais rápido possível.
O jovem pegou o anel e partiu. Mal chegou ao mercado, começou a oferecer o anel aos mercadores. Eles olhavam com algum interesse, até quando o jovem dizia o quanto pretendia pelo anel. Quando o jovem mencionava uma moeda de ouro, alguns riam, outros saíam sem ao menos olhar para ele, mas só um velhinho foi amável a ponto de explicar que uma moeda de ouro era muito valiosa para comprar um anel. Tentando ajudar o jovem, chegaram a oferecer uma moeda de prata e uma xícara de cobre, mas o jovem seguia as instruções de não aceitar menos que uma moeda de ouro e recusava as ofertas. Depois de oferecer a jóia a todos que passavam pelo mercado, abatido pelo fracasso, montou no cavalo e voltou.
O jovem desejou ter uma moeda de ouro para que ele mesmo pudesse comprar o anel, livrando a preocupação e seu professor e assim podendo receber ajuda e conselhos. Entrou na casa e disse:
– Professor, sinto muito, mas é impossível conseguir o que me pediu. Talvez pudesse conseguir 2 ou 3 moedas de prata, mas não acho que se possa enganar ninguém sobre o valor do anel.

- Importante o que disse, meu jovem, contestou sorridente o mestre. Devemos saber primeiro o valor do anel. Volte a montar no cavalo e vá até o joalheiro. Quem melhor para saber o valor exato do anel? Diga que quer vendê-lo e pergunte quanto ele te dá por ele. Mas não importa o quanto ele te ofereça, não o venda. Volte aqui com meu anel.
O jovem foi até o joalheiro e lhe deu o anel para examinar. O joalheiro examinou-o com uma lupa, pesou-o e disse:
- Diga ao seu professor, se ele quiser vender agora, não posso dar mais que 58 moedas de ouro pelo anel.
O jovem, surpreso, exclamou: – 58 MOEDAS DE OURO???
- Sim, replicou o joalheiro, eu sei que com tempo poderia oferecer cerca de 70 moedas, mas se a venda é urgente…
O jovem correu emocionado para a casa do professor para contar o que ocorreu.
- Sente-se, disse o professor, e depois de ouvir tudo que o jovem lhe contou, disse:
- Você é como esse anel, uma jóia valiosa e única. E que só pode ser avaliada por um expert. Pensava que qualquer um podia descobrir o seu verdadeiro valor???
E dizendo isso voltou a colocar o anel no dedo.
Todos nós somos como esta jóia. Valiosos e únicos e andamos pelos mercados da vida pretendendo que pessoas inexperientes nos valorizem.

Autor desconhecido

domingo, 23 de junho de 2013

Dicas rápidas para algumas dúvidas recorrentes





1. Que e Quê

*Que é pronome, conjunção, advérbio ou partícula expletiva.

*Quê é um substantivo (com o sentido de "alguma coisa"), interjeição (indicando surpresa, espanto) ou pronome em final de frase (imediatamente antes de ponto final, de interrogação ou de exclamação). Exemplos:

- Que você pretende, tratando-me dessa maneira?
- Você pretende o quê?
- Quê!? Quase me esqueço do nosso encontro.

2. Mas e Mais

* Mas é uma conjunção adversativa, de mesmo valor que "porém, contudo, todavia, no entanto, entretanto".

* Mais é um advérbio de intensidade, mas também pode dar idéia de adição, acréscimo; tem sentido oposto a menos. Exemplos:

- Eu iria ao cinema, mas (porém) não tenho dinheiro.
- Ela é a mais (menos) bonita da escola.

3. Onde, Aonde e Donde

* Onde significa "em que lugar".
* Aonde significa "a que lugar".
* Donde significa "de que lugar".

Exemplos:
- Onde (em que lugar) você colocou minha carteira?
- Aonde (a que lugar) você vai, menina?
- Donde (de que lugar) tu vieste?

4. Mal e Mau

* Mal é advérbio, antônimo de "bem".
* Mau é adjetivo, antônimo de "bom"

Exemplos:
- Ele é um homem mau (não é bom); só pratica o mal (e não o bem).

* Mal também é substantivo, podendo significar "doença, moléstia, aquilo que é prejudicial ou nocivo."
Ex. O mal da sociedade moderna é a violência urbana.

5. A par e Ao par

* A par é usado, no sentido de "estar bem informado", ter conhecimento".
* Ao par só é usado para indicar equivalência entre valores cambiais.

Exemplos:
- Estou a par de todos os acontecimentos.
- O real está ao par do dólar.

6. Ao encontro de e De encontro a

* Ao encontro de indica "ser favorável a", "ter posição convergente" ou "aproximar-se de".
* De encontro a indica oposição, choque, colisão.

Exemplos:
- Suas idéias vêm ao encontro das minhas, mas suas ações vão de encontro ao nosso acordo. (Suas idéias são tais quais as minhas, mas suas ações são contrárias ao nosso acordo)

7. Há e A na expressão de tempo

* Há é usado para indicar tempo decorrido.
* A é usado para indicar tempo futuro.

Exemplos:
- Ele partiu duas semanas.
- Estamos a dois dias das eleições.

8. Acerca de, A cerca de e Há cerca de

* Acerca de é locução prepositiva equivalente a "sobre, a respeito de".
* A cerca de indica aproximação.
* Há cerca de indica tempo decorrido.

Exemplos:
- Estávamos falando acerca de política.
- Moro a cerca de 2 Km daqui.
- Estamos rompidos há cerca de dois meses.

9. Afim e A fim de

* Afim é adjetivo equivalente a "igual, semelhante".
* A fim de é locução prepositiva que indica finalidade.

Exemplos:
- Nós temos vontades afins.
- Ela veio a fim de estudar seriamente.

10. Senão e Se não

* Senão significa "caso contrário, a não ser".
* Se não ocorre em orações subordinadas adverbiais condicionais; equivale a "caso não".

Exemplos:
- Nada fazia senão reclamar.
- Estude bastante, senão não sairá sábado à noite.
- Se não estudar, não sairá sábado à noite.

11. Nós viemos e Nós vimos

* Nós viemos é o verbo vir no pretérito perfeito do indicativo, ou seja, no passado.

* Nós vimos é o verbo vir no presente do indicativo.

Exemplos:
- Ontem, nós viemos procurá-lo, mas você não estava.
- Nós vimos aqui, agora, para conversar sobre nossos problemas.

12. Torcer por e Torcer para

* Torcer por, pois o verbo torcer exige esta preposição.
* Torcer para é usado, quando houver indicação de finalidade, equivalente a "para que", "a fim de que".

Exemplos:
- Torço pelo Santos.
- Torço para que o Santos seja o campeão.

13. Desencargo e Descargo
* Desencargo significa "desobrigação de um encargo, de um trabalho, de uma responsabilidade".
* Descargo significa "alívio".

Exemplos:
- Filho que se forma é mais um desencargo de família para o pai.
- Devolvi o dinheiro por descargo de consciência.

14. Sentar-se na mesa e Sentar-se à mesa

* Sentar-se na mesa significa sentar-se sobre a mesa.

* Sentar-se à mesa significa sentar-se defronte à mesa. O mesmo ocorre com "estar ao computador, ao telefone, ao portão, à janela ...

Exemplos:
- Sentei-me ao computador para trabalhar.
- Sentei-me na mesa, pois não encontrei cadeira alguma.

15. Tilintar e tiritar

* Tilintar significa "soar".

* Tiritar significa "tremer de frio ou de medo".

Exemplos:
- A campainha tilintava sem parar.
- O rapaz tiritava de frio.

16. Ao invés de e Em vez de

* Ao invés de indica "oposição, situação contrária".

* Em vez de indica "substituição, simples troca".

Exemplos:
- Em vez de ir ao cinema, fui ao teatro.
- Descemos, ao invés de subir.

17. Estadia e Estada

* Estadia é usado para veículos em geral.

* Estada é usado para pessoas.

Exemplos:
- Foi curta minha estada na cidade.
- Paguei a estadia de meu automóvel.

18. A domicílio e Em domicílio

* A domicílio só se usa quando dá idéia de movimento.

* Em domicílio se usa sem idéia de movimento.

Exemplos:
- Enviarei a domicílio seus documentos.
- Fazemos entregas em domicílio
- Levaram a domicílio as compras.
- Damos aulas particulares em domicílio.

19. Estágio e Estádio

* Estágio é preparação (profissional, escolar ..).

* Estádio significa "época, fase, período".

Exemplos:
- Estou no primeiro ano de estágio na empresa.
- Naquela época o país passava por um estádio de euforia.

20. Perca e Perda

* Perca é verbo.

* Perda é substantivo.

Exemplos:
- Não perca a paciência, pois essa perda de gols não se repetirá, disse o jogador ao técnico.

21. Despercebido e Desapercebido

* Despercebido significa "sem atenção".

* Desapercebido significa "desprovido, desprevenido".

Exemplos:
- O fato passou-me totalmente despercebido.
- Ele estava desapercebido de dinheiro.

22. Escutar e Ouvir

* Escutar significa "estar atento para ouvir".

* Ouvir significa "perceber pelo sentido da audição".

Exemplos:
- Escutou, a tarde toda, as reclamações da esposa.
- Ao ouvir aquele som estranho, saiu em disparada.

23. Olhar e Ver

* Olhar significa "estar atento para ver".

* Ver significa "perceber pela visão".

Exemplos:
- Quando olhou para o lado, nada viu, pois ele saíra de lá.


24. Haja vista e Hajam vista

* Haja vista pode-se usar, havendo ou não a preposição a à frente, estando o substantivo posterior no singular ou no plural.

* Hajam vista pode-se usar, quando não houver a preposição a à frente e quando o substantivo posterior estiver no plural.

Exemplos:
- Haja vista aos problemas.
- Haja vista os problemas.

- Hajam vista os problemas.


Ita est!
Prof. Zanon

Matérias mais antigas:

Minha foto
Sou um professor apaixonado pela educação, pela literatura, pela língua portuguesa e pela arte de escrever. Como tantos educadores, um idealista. Fascina-me a incomensurável capacidade de transformação do ser humano. Por que me ufano da minha profissão? Porque sei que quando leciono, não estou apenas passando conteúdos, mas também destruindo mitos, dogmas e raciocínios falaciosos que cerceiam a liberdade humana.