quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

À la carte

A expressão À LA CARTE é um galicismo, ou seja, estrutura de origem francesa. Em português, significa "com a carta" ou "com o cardápio" e refere-se ao tipo de serviço que os restaurantes oferecem aos fregueses. Restaurante à la carte serve ao freguês aquilo que está no cardápio.



O "a" deve receber o acento grave, pois ocorre uma crase ali.

Na escrita à mão, essa expressão deve ser marcada com aspas. Se usar o editor de texto, sugere-se a grafia em itálico, como aparece neste texto. Esses procedimentos são para indicar que tal expressão não faz parte do nosso léxico, da nossa língua.

Os estrangeirismos são bem-vindos quando não for possível a substituição por uma palavra equivalente. Mas quando há um termo equivalente em língua portuguesa, devemos preferi-lo.  

Ita est!
Prof. Zanon

domingo, 27 de janeiro de 2013

Interdisciplinaridade – Derrubando os muros do conhecimento científico para facilitar o aprendizado

Há algumas décadas, o conhecimento científico do 6º ano do ensino fundamental em diante  apresentava-se compartimentado e, dependendo do professor, hermeticamente fechado. Havia um certo receio por parte dos educadores de não invadir a área um do outro.





Para amenizar esta fragmentação das disciplinas e tentar estabelecer pelo menos um diálogo entre elas, a interdisciplinaridade entrou em voga no final do século passado e começou a ser abordada no Brasil a partir da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) nº 5.692/71. Desde então, sua presença no cenário educacional brasileiro tem se tornado mais presente e, recentemente, mais ainda, com a nova LDB Nº 9.394/96 e com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Além da sua grande influência na legislação e nas propostas curriculares, a interdisciplinaridade tornou-se cada vez mais presente no discurso e na prática de professores.

Interdisciplinaridade significa “relação entre duas ou mais disciplinas ou ramos de conhecimento; ou, algo que é comum a duas ou mais disciplinas”. (Dicionário Eletrônico Houaiss de Língua Portuguesa 3.0)

É possível a interação entre disciplinas aparentemente distintas, pois em algum momento elas irão convergir. Esta interação é uma maneira complementar ou suplementar que possibilita a formulação de um saber crítico-reflexivo. É através dessa perspectiva que a interdisciplinaridade surge como uma forma de superar a fragmentação entre as disciplinas, proporcionando um diálogo entre essas, relacionando-as entre si para a compreensão da realidade.



A interdisciplinaridade oferece uma nova postura diante do conhecimento, uma mudança de atitude em busca do contexto do conhecimento, em busca do ser como pessoa integral. Visa garantir a construção de um conhecimento globalizante, rompendo com os limites das disciplinas, ou derrubando os muros que foram erigidos entre elas. É através do ensino interdisciplinar que os professores possibilitarão aos seus alunos uma aprendizagem eficaz na compreensão da realidade em sua complexidade. Os professores devem incentivar e direcionar os alunos a construírem relações entre os diferentes conteúdos presentes nas diversas disciplinas do currículo.



Resumindo, os dois principais objetivos da metodologia do trabalho interdisciplinar é integrar os conteúdos e passar de uma concepção fragmentária para uma concepção unitária do conhecimento.

Referências bibliográficas:
CARLOS, Jairo Gonçalves. Interdisciplinaridade no Ensino Médio: desafios e potencialidades. Disponível em: . acesso em: 22/04/10.
MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, 1997.


domingo, 20 de janeiro de 2013

Vida de professor!





Ideia da minha colega de profissão M. Lee: http://mleedeboanalagoa.blogspot.com.br/2012/02/vida-de-professor.html

sábado, 12 de janeiro de 2013

Abraham Lincoln



"Estou ultimamente ocupado em ler a Bíblia. Tirai o que puderdes deste livro pelo raciocínio e o resto pela fé, e, vivereis e morrereis um homem melhor."
Abraham Lincoln

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Discurso de Marcos Meier ao receber o título de cidadão honorário de Curitiba


A Câmara Municipal de Curitiba outorgou, em 13 de dezembro de 2012, o título de cidadão honorário ao professor-palestrante Marcos Meier, por sua contribuição nas áreas de educação e psicologia em Curitiba. 

Marcos Meier é um dos melhores oradores na área da educação que conheço. Assisti a uma de suas palestras quando era aluno da Universidade Tuiuti do Paraná, e foi tão marcante que ainda hoje conseguiria citar de memória os seus pontos altos.

Concordo com suas palavras acerca da arte de ensinar os alunos a amar o conhecimento:

"o professor que sabe ser amigo, que exerce sua autoridade com acolhimento e justiça, que sabe rir dos próprios erros, e é bem humorado, que ama o que faz, esse ajuda o aluno a amar o que é ensinado. O mesmo acontece com os pais em relação a seus filhos. O contrário afasta.

Tenho tentado ajudar as pessoas a amarem o conhecimento, os princípios de educação, a respeitar a filosofia e a ética, a buscar a sabedoria. Tenho tentado ajuda-las a aprender a aprender. E quando não mais precisarem dos meus ensinamentos, é porque se tornaram autônomos, independentes e terei me tornado dispensável."

Esse é também meu objetivo como professor: tornar-me dispensável para os meus alunos.

Além disso, o professor parafraseou em seu discurso uma passagem bíblica que, de uns anos para cá, adquiriu grande importância na minha vida: "[...] fazer tudo como se fosse para Deus e não para nós mesmos." Nosso trabalho entra em uma dimensão muito maior quando pensamos assim.

Parabéns professor Meier. A homenagem foi merecida.

Ita est!
Prof. Zanon

Matérias mais antigas:

Minha foto
Sou um professor apaixonado pela educação, pela literatura, pela língua portuguesa e pela arte de escrever. Como tantos educadores, um idealista. Fascina-me a incomensurável capacidade de transformação do ser humano. Por que me ufano da minha profissão? Porque sei que quando leciono, não estou apenas passando conteúdos, mas também destruindo mitos, dogmas e raciocínios falaciosos que cerceiam a liberdade humana.